Kingdom Of Lusitania - Reedição

O conceptual "Kingdom Of Lusitania" o segundo álbum de originais de Tarantula, publicado em 1990 pela primeira e única vez em vinil é novamente disponibilizado numa edição limitada a dois formatos; "Black Vinyl" e "Picture Disc" com o selo Gluetone e distribuição Carbono Amadora.
 
Data de lançamento: 20 Junho 2014.
 
Este disco marca a estreia de Jorge Marques como vocalista de Tarantula.
As gravações decorreram maioritariamente nos estúdios do grupo; Rec 'n' Roll em Valadares e a produção foi da responsabilidade de Luís Barros e Pedro Moura.
 
As misturas originais de "Kingdom Of Lusitania" foram novamente intervencionadas por Luís Barros. Além da melhor qualidade sonora, nesta reedição o tema "The Saga Of Sebastian, The King" está completo, a diferença é substancial e a canção revela a sua verdadeira dimensão. Na primeira edição (1990) a composição foi encurtada em cerca de 2 minutos com um "fade out" no penúltimo refrão.
 
"O Reino da Lusitânia" (capa) da autoria de Jorge Marques, foi comissionada em 1989 pelo grupo para esta finalidade. A obra foi recentemente restaurada pelo cantor e artista plástico numa intensa e paciente intervenção de centenas de horas com o objectivo de assegurar a vitalidade dos tons e contrastes originais.

 

 [English]
"Kingdom Of Lusitania", Tarantula's second full length from 1990 published (once and only) in black vinyl will be re-released in two formats; black vinyl (once more) and picture disc by Gluetone next 20th June 2014 in a limited edition available through Carbono Amadora distribution service.

The cover "O Reino da Lusitânia" an original painting by Jorge Marques (vocals) was commissioned in 1989 by the group for this purpose was now restored to bring back to life the faded colours and original contrast.

Luís Barros; main lyricist, composer, drummer and producer, carefully reviewed the original tapes (yes, tapes!) to deliver a brand new audio master for this special re edition, some enhancements will be surely noticed (and expect...), although Lusitania's epic blast prevails untouched.